Sejam bem vindos, deixem uma opinião...VOLTEM SEMPRE!

Pesquisar neste blogue

Os nossos olhos são o espelho da nossa alma, não mentem, reproduzem sempre os pormenores mais íntimos dos nossos sentimentos. O Espelho da Alma é um espaço onde se pretende reproduzir em poesia um manifesto desses sentimentos do autor. Tu! Que aqui passaste, considera-te bem vindo e volta sempre.

segunda-feira, 12 de abril de 2010


Oxímoro Existencialista



Oh! Vida, tu

Que na existência pôes desafio

Amargos prazeres...doces tormentos

E nesse interlúdio...os sentimentos,

E eu? Quais procuro? Em quais me fio?

Oh! Vida, tu

Que como folha caída em seco estio

Esvoaças no ar, levada p'lo vento

Qual flor silvestre, num momento

Seca pelo sol, noutro enrugada p'lo frio.

Oh! Vida, tu

Quando te recordo num momento,

Escuto ecos do passado,

De esperança no presente ...eu tremo,

Já do futuro, desconheço a sua traça.

Oh! Vida, tu

Chama o destino (alinha-o a meu lado),

Mostra-me o teu querer supremo

dispersa a tristeza do meu fado

E dá-me um ar da tua graça.



Luiz


1 comentário:

  1. É bom ver palavras [poéticas] ditas com tanta força, traduzindo uma agonia tão profunda...A vida, a existência, tem seus encatos e dores...e se sabiamente o poeta canta, nada mais faz senão traduzir o seu sentir, do que vive...

    EU GOSTEI IMENSAMENTE DESSE POEMA...Senti como se o tivesse escrito um pouquinho. Eu o teria escrito certamente, pq cá dentro de mim ele está dito, bem nestes termos...

    É isso, aí, poeta!
    Carinho e amizade sempre

    Usy

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo