Sejam bem vindos, deixem uma opinião...VOLTEM SEMPRE!

Pesquisar neste blogue

Os nossos olhos são o espelho da nossa alma, não mentem, reproduzem sempre os pormenores mais íntimos dos nossos sentimentos. O Espelho da Alma é um espaço onde se pretende reproduzir em poesia um manifesto desses sentimentos do autor. Tu! Que aqui passaste, considera-te bem vindo e volta sempre.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Photobucket




ESCONJURO-TE VIL DESTINO


Percorrendo as lúgrubes estepes da desilusão,
Esses lugares ermos, crepusculamente desolados,
Onde, na ausência da nevrose dum perdão,
Esconjuro irado os vis resquiços dos pecados.


Assim, imune ao seu apelo que já sinto assaz forte,
Como um embriagado édipo do destino já faminto,
Não lhe fujo, mesmo quando seu bafo já pressinto.


Lança-me punhais, seus gritos lacinantes sinto,
E enquanto Dantesca esta realidade não aporte,
O desalento lhe nego, no que ao fatalismo importe.


Nestas estrofes liberto meus assomos de ironia,
Lanço-os ao chamamento cruciante da morte.
Até meus lábios, brancos, da espuma da agonia,
Se atrevem, ousados, a desejar-lhe a pior sorte.


Luiz

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo